WEBINAR – GRANDE MURO VERDE

Junte-se a nós no Webinar da Iniciativa da Grande Muralha Verde no sábado, 26 de março de 2022, das 14h às 16h45, horário de Paris. O evento analisará a transformação cultural africana contemporânea em ambientes extremos como o da região do Saara-Sahel.

Ele fará parte de uma série de webinars que explorarão oportunidades e abordagens de design que respondam às mudanças climáticas e à criação de assentamentos rurais produtivos sensíveis à cultura que levem em consideração a necessidade de abrigo acessível, habitação resiliente e habitabilidade sustentável em vinte e cinco anos. ruralidade do primeiro século.

O evento será moderado por Ashraf M. Salama (Egito), professor de Arquitetura e Diretor de Pesquisa e do Cluster de Arquitetura e Urbanismo no Sul Global, Departamento de Arquitetura, Universidade de Strathclyde, Glasgow, Reino Unido.

Contará com apresentações dos seguintes palestrantes:

  • Cordelia Olatokunbo Osasona  (Nigéria): arquiteta e historiadora da arquitetura com diplomas da Universidade Obafemi Awolowo (OAU), onde foi a primeira mulher graduada, a primeira professora mulher e depois vice-reitora da Faculdade de Design e Gestão Ambiental da OAU (EDM) .
  • Hanaa Dahy  (Egito/Alemanha): arquiteta praticante, professora e pesquisadora. Fundadora do departamento de BioMat da Stuttgart University, ela também fundou o ArchIDA (Research Center for Architecture in Stuttgart)
  • Borong LIN  (China): Professor e Vice-Reitor da Escola de Arquitetura da Universidade de Tsinghua.
  • David A. Garcia  (Espanha/Dinamarca): arquiteto e educador praticante. Professor Associado da Royal Danish Art Academy School of Architecture (KADK),
  • Anna Heringer  (Alemanha): arquiteta e professora honorária da Cátedra UNESCO de Arquitetura de Terra, Culturas de Construção e Desenvolvimento Sustentável.
  • Nikolaos P. Tsinikas  (Grécia): Professor Emérito da Escola de Arquitetura da Universidade Aristóteles de Salónica (AUTH) na Grécia.

REGISTRE-SE AQUI

 

Cordelia Osasona – O Passado em Nosso Futuro: Cultura Transformada, Transformando o Builtscape

A apresentação fornecerá uma visão geral das preciosas questões socioculturais que tendem a condicionar como (e o que) construímos, incluindo religião, normas e valores, estratificação social e ocupação, seguida de um exame das realidades atuais em termos de globalização : cultural e ambiental (aquecimento global). Em conclusão, serão exploradas propostas de ajustes atuais e sustentabilidade futura (em termos de orientações com relação ao uso do espaço, materiais e prática de construção real).

Borong Lin – Novas estratégias para edifícios sustentáveis ​​em ambientes extremamente quentes

No ambiente extremamente quente, algumas novas estratégias podem ser consideradas no projeto de construção sustentável e inovação tecnológica, incluindo o novo projeto de sombreamento e ventilação, pesquisa e aplicação de materiais de resfriamento radiante, desenvolvimento de teoria de adaptação térmica e novas tecnologias, temperatura e umidade independentes estratégias de controle e sistemas de ar condicionado com zero carbono de alta eficiência movidos a energia solar. Vários casos de construção sustentável doméstica em ambiente térmico extremo na China são apresentados como exemplos.

Hanaa Dahby – Materiais de base biológica e seu potencial para a transformação arquitetônica africana

A palestra se concentra na arquitetura sustentável futurista, alcançada por meio da implementação de materiais locais, especialmente os de base biológica, e da incorporação de abordagens inteligentes, como a integração de tecnologias de fabricação digital com métodos de design computacional. Além disso, o trabalho multidisciplinar, as tecnologias de automação e outros fatores mostrarão como as técnicas atuais e orientadas para o futuro podem ter um efeito direto na arquitetura sustentável inteligente do futuro com base em tecnologias disponíveis e materiais locais. Nesse contexto, a arquitetura local africana poderia ser restabelecida com base nas identidades locais, auxiliada por novas tecnologias locais generalizadas, para servir ainda mais o meio ambiente e as comunidades africanas.

David Garcia – Arquitetura e Ambientes Extremos

Em uma época em que os ambientes estão cada vez mais ameaçados, os extremos estão se tornando mais a norma do que a exceção. Esta palestra defenderá uma mudança de mentalidade, metodologia e abordagem ao projeto arquitetônico, com base na especificidade local, compreensão da cultura, desafios e potencialidades através da colaboração e inovação, como parte de uma abordagem holística. Além disso, tentará argumentar a importância da educação como parte integrante da disciplina arquitetônica. É através da educação que o potencial e as sensibilidades dos futuros arquitetos são nutridos e a discussão ampliada em nosso mundo em rápida transformação. A educação é a semente da mudança, e na arquitetura essa mudança é urgente.

Anna Heringer – Arquitetura é uma ferramenta para melhorar vidas.

A visão e motivação de Anna Heringer para seu trabalho é explorar e usar a arquitetura como um meio para fortalecer a confiança cultural e individual, apoiar as economias locais e promover o equilíbrio ecológico. Para Heringer, “viver alegre” é um processo criativo e ativo, pelo qual ela manifesta seu profundo interesse pela sustentabilidade da sociedade e do ambiente construído. Sustentabilidade é sinônimo de beleza: uma edificação harmoniosa em seu projeto, estrutura, técnica e uso de materiais, bem como com a localização, o meio ambiente, o usuário e o contexto sociocultural. Tudo isso define seu valor sustentável e estético.

Nikolaos P. Tsinikas – Natureza e Arquitetura

O conceito da apresentação é uma visão detalhada da natureza como fonte de inspiração para o projeto arquitetônico e a tecnologia arquitetônica. A forma segue a função é um termo usado em zoologia mostrando que qualquer organismo vivo deve se adaptar ao ambiente para sobreviver. A distribuição de cargas em elementos estruturais, como vigas, arcos, cúpulas, atua como em ossos, árvores, teias. Para aumentar a resistência das estruturas arquitetônicas, podemos considerar como as conexões de montagem, estruturas compostas, cabos multipolares e estruturas multicamadas são feitas em organismos vivos. A maioria das ferramentas e mecanismos que o homem fez pode ser encontrada na natureza. Para finalizar, serão mostrados alguns exemplos de camuflagem, furtividade, padrões voronoi, exoesqueletos, estruturas ósseas, seres vivos no fundo do mar, arquitetos da natureza e microorganismos.