IAB provoca sociedade a participar dos debates urbanos

Data: 08/06/2016

Departamento: Nacional

O coordenador de concursos do IAB e conselheiro pelo Rio de Janeiro do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), Luiz Fernando Janot, defendeu, na última reunião da Direção Nacional do IAB, no dia 3 de junho, a necessidade de se levar à sociedade o debate sobre a promoção da qualidade urbana. Para Janot, as conclusões do Seminário de Política Urbana Quitandinha+50 (Q+50), cujos eventos alcançaram todas as regiões do país em 2013, não podem se restringir ao círculo dos arquitetos.
 
Clique aqui para acessar o documento Relatório Final Q+50 – Uma agenda para as cidades

De frente para o futuro - Artigo de Luiz Fernando Janot
 
Para o urbanista, a cidade do século XXI deverá incorporar novos paradigmas no seu processo de desenvolvimento urbano. Ainda segundo Janot, é possível extrair aspectos relevantes das conclusões do Q+50, que devem ser contemplados nos programas dos candidatos às eleições municipais.
 
“O momento é propício para fazer uma reflexão sobre as transformações comportamentais que estão ocorrendo no mundo contemporâneo e as suas consequências na estruturação das cidades”, argumentou Janot.
 
O arquiteto recomendou ainda que o IAB e as demais entidades nacionais de arquitetura e urbanismo produzissem folders com as recomendações do Q+50 para serem distribuídos em órgãos governamentais e junto a políticos, parlamentares e futuros candidatos a prefeito. Ele sugeriu também que as reflexões promovidas no ciclo de seminários fossem divulgadas em revistas especializadas, universidades e veículos de comunicação.

Post sem comentários! Comentar o post

Comentários (02)

São necessárias as recomendações do colega Janot, mas considero que precisamos de pequenas ações práticas que o IAB poderia conduzir em parcerias diversas como, quem sabe, melhorarias no entorno da sede do IAB/RJ.

responda esse comentário>>

Concordo! Os urbanistas tem que assumirem o protagonismo das políticas públicas. Não basta fazer críticas dos modelos implantados, assumindo sim o controle e responsabilidades.

responda esse comentário>>