– Objetivo é revitalizar espaços históricos e culturais de cinco municípios gaúchos.
Locais devem ser usados para fomentar a economia criativa.
– Valores entre premiação e contratação dos projetos variam de R$ 580 mil a R$ 749 mil.

Escritórios de Arquitetura de todo o país já podem garantir sua inscrição no Concurso Nacional de Arquitetura Iconicidades, promovido pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul, com consultoria e assessoria técnica do Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento do Rio Grande do Sul (IAB/RS).

As propostas para intervenção em espaços considerados simbólicos, seja pelo caráter histórico, localização ou potencial de atrair público, serão nas cidades de Cachoeirinha, Pelotas, Rio Grande, Santa Maria e São Leopoldo, com um edital por cidade. A ideia é revitalizar prédios históricos, aliando cultura, tradição e empreendedorismo no novo uso dos imóveis.

Para inscrições e informações, os candidatos devem acessar o site www.rs.gov.br/iconicidades-como-participar-dos-concursos.

A escolha dos vencedores ficará a cargo de comissões julgadoras formadas por arquitetos independentes. Nos casos de Santa Maria e São Leopoldo, por se tratar de bens tombados pelo Estado, haverá participação de especialistas na área indicados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado do Rio Grande do Sul (Iphae).

Serão premiados os três primeiros colocados em cada edital, com R$ 10 mil ao terceiro lugar, R$ 15 mil para o segundo e R$ 20 mil aos vencedores de cada uma das cinco propostas, além do contrato para desenvolver e entregar o projeto completo ao município. O autor do projeto campeão também será contratado para realizar os projetos executivo e complementares, em valores que variam de R$ 580 mil a R$ 749 mil.

O apoio do Estado se dará com a contratação do vencedor em cada edital para elaborar o projeto executivo que irá amparar a realização da obra. A partir desta etapa, ficará a cargo da prefeitura levar adiante a obra, em investimentos que devem ser de até R$ 5 milhões, e para isso poderá contar com parceiros da iniciativa privada.

Essa é segunda etapa do projeto Iconicidades, que faz frente ao desafio de tornar as cidades gaúchas mais empreendedoras, inovadoras e criativas e estimular a retomada e a revitalização de espaços arquitetônicos para estabelecimento de novos negócios. A análise dos municípios teve como critério o engajamento e interesse do gestor local, existência de iniciativa prévia que se adapte ao projeto, sustentabilidade, desenvolvimento socioeconômico e a complexidade do projeto.

Confira as cidades e propostas selecionadas:

Cachoeirinha
Espaço: Casa de Cultura Demósthenes Gonzalez
Proposta: Complexo Casa de Cultura
Localizado às margens do Rio Gravataí, o projeto compreenderá a Casa de Cultura Demósthenes Gonzalez, a avenida Beira Rio e Avenida Gen. Flores da Cunha. A proposta é REQUALIFICAR os espaços e transformar o local NO Complexo Casa de Cultura

Pelotas
Espaço: Anexo a antiga Sede do Banco do Brasil
Proposta: Centro de Gastronomia
A edificação, construída entre 1926 e 1928, está localizada no Centro Histórico. Integra o patrimônio cultural do município e é tombado em nível federal pelo Iphan. A proposta é construir um anexo na antiga sede do Banco do Brasil para receber o Centro de Gastronomia Senac de Pelotas.

Rio Grande
Espaço: Molhes da Barra
Proposta: Ecoparque Turístico Molhes da Barra
Os Molhes da Barra, dois quebra-mares construídos com gigantescas pedras que avançam 4 quilômetros no Oceano, representam uma das maiores obras da engenharia marítima, construída entre 1911 e 1915. A proposta é fortalecer o potencial turístico do local aliado à preservação ambiental e a um espaço para os negócios locais, através da criação do Ecoparque Turístico Molhes da Barra.

Santa Maria
Espaço: Clube dos Ferroviários
Proposta: Centro de Inovação e Economia Criativa
O antigo Clube dos Ferroviários está localizado na Vila Belga, no Centro Histórico e inserido na Mancha Ferroviária, tombada pelo Iphae. O município já possui planejamento para implantação de um Distrito Criativo e aponta como relevante a presença de um espaço revitalizado para contribuir com a proposta.

São Leopoldo
Espaço: Casa da Feitoria / Museu do Imigrante
Proposta: Espaço destinado ao turismo, atividades culturais, diversidade, lazer, feiras e eventos.
A casa que representa a intersecção entre três etnias (alemã, africana e portuguesa), tombada como patrimônio histórico estadual, foi sede da Feitoria do Linho Cânhamo entre 1788 e 1824 e neste mesmo ano abrigou os primeiros imigrantes alemães da futura colônia. Sofreu desabamentos parciais, o mais recente em 2019. A prefeitura quer restaurar o espaço para a comemoração do Bicentenário de São Leopoldo e da imigração alemã.