Terceiro dia com programação diversificada

Data: 12/10/2019

Departamento: Nacional

O terceiro dia de programação do 21CBA contou com oficinas, apresentações de trabalhos e artigos, palestras, visita guia ao prédio do Centro Cultural UFRGS, mini cursos, diversas sessões, início de exposições e encenação teatral gratuita na Praça Glênio – Caliban, com a Tribo de Atuadores Ói Nois Aqui Traveiz.
 
Marcou ainda o início da realização da 157 edição do COSU – Reunião Nacional do Conselho Superior do IAB, que segue até dia 14. A entidade foi tema de uma das Sessões Livres do dia 11, “O lugar do IAB no desenvolvimento da arquitetura e do urbanismo”. Participaram:  Paula Dedecca (SP), autora da Tese de Doutorado “Arquitetura e engajamento: o IAB, o debate profissional e suas arenas transnacionais (1920-1970)”; Vera França Leite (RJ), autora da Tese de Doutorado “Caminhos que levam à cidade: o protagonismo do IAB na política urbana brasileira”; e os ex Presidentes Nacionais do IAB,  Antônio Carlos Campello Costa (CE), e Telmo Magadan (RS).
 
Entre as várias Sessões Temáticas, uma tratou sobre “Conflitos e Desastres Ambientais, com a arquiteta e professora Cláudia Pires e o advogado integrante do Movimento dos Atingidos por Barragens, Leandro Scalabrin. Eles lembraram que casos de rompimento de barragens exemplificam a lógica de máxima exploração dos recursos, em detrimento da preservação dos direitos humanos.
 
Outro tema surgiu da pergunta Você consegue citar o nome de três arquitetas mulheres reconhecidas nacional ou internacionalmente? A partir dessa questão, o coletivo Arquitetas Invisíveis procura instigar as profissionais do setor a buscarem referências femininas para seus trabalhos. O assunto foi tratado na Sessão “Mulheres e arquitetura: atuação e estratégias”.
 
Palestra – A revisão do Plano Diretor Estratégico de São Paulo, aprovado em 2014 em contexto de conflitos, foi o tema de uma das palestras do dia 11. Fernando Túlio, presidente do IAB-SP e assessor da Prefeitura de SP à época da revisão, disse que o principal desafio foi gerado pela produção desordenada de novos empreendimentos do setor imobiliário.
 
Túlio apresentou dado que embasou parte dos estudos: nos dez anos anteriores à revisão do plano, o setor imobiliário movimentou R$ 94,68 bilhões - soma do valor geral de vendas no período. Desse valor, R$ 1,25 bilhão foi capturado via outorga onerosa do direito de construir para o Fundo de Desenvolvimento Urbano (Fundurb) - pouco, na avaliação do presidente do IAB-SP.
 
A apresentação seguiu a estrutura do plano, com a apresentação de mapas para cada eixo trabalhado pela legislação. O público lotou o espaço na Praça da Alfândega, algumas pessoas permaneceram mesmo em pé para acompanhar a fala de Túlio na manhã da sexta-feira.  A mediação do painel foi feita pela Arquiteta Rossella Rossetto.
 
 

Galeria de imagens

Post sem comentários! Comentar o post