Freixo quer retomar experiência do Morar Carioca

Data: 17/10/2016

Departamento: IAB RJ

​O candidato a prefeito do Rio Marcelo Freixo apresentou, na manhã desta segunda-feira, 17 de outubro, o modelo de cidade que acredita em debate na Casa do Arquiteto Oscar Niemeyer, sede do IAB-RJ. “É preciso mudar a estrutura de poder, ampliar a participação popular e gerir com transparência, visando à redução das desigualdades”, defendeu o candidato. Freixo abriu a série de debates do segundo turno das eleições municipais do IAB-RJ. Marcelo Crivella foi também convidado pelo IAB-RJ a apresentar suas propostas, mais ainda não confirmou agenda.

Compromisso pela qualidade das obras e transparência nos gastos públicos

Freixo assina documento Direito a um Rio de Janeiro democrático e sustentável

Segundo Freixo, a Prefeitura produz uma quantidade enorme de dados sobre a cidade e precisa processá-los para planejar a cidade: “é preciso discutir habitação, investimentos e inovação para o local. A taxa de ocupação dos imóveis do Centro é de 5%. Entretanto, a região concentra 40% de toda oferta de trabalho da cidade.”

O arquiteto Fábio Memória, que atua no mercado imobiliário, destacou a importância de a Prefeitura desburocratizar a gestão municipal e melhorar a eficiência da aprovação de projeto. “O arquiteto precisa assumir a responsabilidade do seu trabalho, sob risco da perda do registro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo. Ao protocolar um projeto na Prefeitura, um técnico municipal refaz todo o trabalho e passa a assinar também o projeto, retirando uma parte da responsabilidade do autor do projeto. O técnico, que também é arquiteto, não deve julgar o trabalho de um colega”, criticou Memória.

Para a arquiteta Dora Alcântara, membro do Conselho Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do IAB-RJ, o próximo prefeito precisa reconhecer o patrimônio de cada lugar. “Patrimônio não pode ser pensado como luxo. É um valor que gera sentimento de pertencimento”, defendeu.

Outra demanda apresentada pelos arquitetos foi a implantação da assistência técnica de arquitetura e urbanismo. Em 2008, o governo federal sancionou a lei 11.888, que dispõe sobre a ajuda técnica na área de construção civil para as famílias de baixa renda, mas a prestação do serviço ainda não é uma realidade no Rio e nem em boa parte das cidades brasileiras.

Ao discutir habitação de interesse social, o candidato adiantou que, se ganhar as eleições, vai retomar o programa Morar Carioca. “O Morar Carioca apresentou vários caminhos interessantes para trabalhar a integração das favelas. É preciso recuperar as reflexões produzidas. Promoveremos também mais momentos de reflexão com os arquitetos”, disse Freixo.

O presidente do IAB-RJ, Pedro da Luz Moreira, destacou o futuro congresso da União Internacional dos Arquitetos - UIA2020RIO, que será realizado no Rio de Janeiro em 2020, como um importante evento para discutir a ocupação humana do território.

Ao término do debate, Marcelo Freixo sugeriu novo encontro com os arquitetos, na Casa do Arquiteto Oscar Niemeyer, independente do resultado das urnas, para discutir a cidade.

Post sem comentários! Comentar o post