Dilma Rousseff sanciona Medida Provisória que amplia RDC

Data: 23/11/2015

Departamento: Nacional

A presidente Dilma Rousseff sancionou, na sexta-feira, 20 de novembro, Medida Provisória (MP) 678/2015, que amplia o Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) e a “contratação integrada” para obras e serviços de engenharia nas áreas de segurança pública, de mobilidade urbana, de infraestrutura logística e de ensino, pesquisa, ciência e tecnologia. De fato, alcança a quase totalidade das obras públicas do país.

O presidente do IAB, Sérgio Magalhães, criticou, em nota divulgada na segunda-feira, a decisão da presidente Dilma Rousseff:

A dispensa de projeto para a contratação de construtoras de obras públicas, autorizada por Medida Provisória sancionada sexta-feira à noite pela presidente da República, é um monumental erro somente menor do que o prejuízo que causará ao país. Prejuízo que se medirá em dinheiro, em tempo e em qualidade das obras.

Contrariando as boas práticas, vigentes onde há controle dos dinheiros públicos e eficiência nos equipamentos destinados à população, o Brasil insiste na exaltação de obras mal feitas e muito bem pagas. Contrariando o sentimento geral, que exige transparência, o Brasil insiste no obscurantismo.

Mas a luta continua. Uma das batalhas, como se vê pela liminar deferida pelo ministro Barroso, se dará no Supremo Tribunal Federal.


O IAB, assim como as entidades nacionais de engenharia e de arquitetura e urbanismo, é contrário à ampliação do RDC e da “contratação integrada”. A avaliação do instituto é que o regime, criado para executar as obras da Copa de 2014, demonstrou ser um poderoso estimulador de aditivos, de aumento de prazos e de redução da qualidade das obras públicas.

Apesar da sanção da presidente, uma liminar deferida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, na quinta-feira, 19 de novembro, torna momentaneamente inócua o ato presidencial, agora Lei 13.190/2015. A liminar derrubou provisoriamente os "jabutis" inseridos na MP 678/2015 até manifestação do pleno do STF. (Veja a matéria: STF suspende "jabutis" de MP que amplia o RDC) A decisão foi provocada após mandado de segurança impetrado pelo senador Álvaro Dia (PSDB-PR), que pedia a anulação de toda a medida ou, pelo menos, dos 72 jabutis inseridos no texto.

Veja outras matérias sobre o tema:
STF suspende “jabutis” de MP que amplia o RDC
Perigosa abertura nas licitações
Mal feito e bem pago
Via rápida para o superfaturamento de obras
O paraíso para as empreiteiras
Principal executivo da Camargo Corrêa defende licitação só com projeto completo
“Não vejo vantagem no RDC”, diz Ícaro Moreno
Planalto considerará posição das entidades de arquitetura ao analisar MP 678
Entidades de arquitetura e de engenharia pedem veto à MP 678
O Globo: "Novo regime de obras eleva custos, alertam especialistas"

(Foto: presidente Dilma Rousseff. Crédito: Elza Fiúza/Agência Brasil)

Post sem comentários! Comentar o post