Comissão de Mobilidade e Acessibilidade do IAB-RJ debate transporte sobre trilhos e calçadas

Data: 15/07/2015

Departamento: IAB RJ

A recém ativada Comissão de Mobilidade Urbana e Acessibilidade do IAB-RJ promove debate sobre a retomada do transporte sobre trilhos como elemento estruturante da mobilidade da Região Metropolitana e a padronização das calçadas cariocas na segunda-feira, 20 de julho, a partir das 19h, no auditório da sede do Instituto de Arquitetos, no Flamengo. Participam como debatedores os arquitetos Luísa Bogossian e Alexandre Pessoa, integrantes da Comissão do IAB-RJ. O evento é gratuito e aberto ao público.

Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela UFRJ e sócia do escritório Estúdio Guanabara, Luísa colocará em debate a implantação de bondes contemporâneos, mais conhecidos como veículos leves sobre trilhos (VLT), na Zona Sul da capital fluminense. A proposta foi objeto da dissertação de mestrado da arquiteta. "Apesar do trabalho ter como foco a Zona Sul, o objetivo é oferecer um novo padrão de mobilidade que possa ser ampliado para toda a cidade", afirmou.

A padronização e a criação de um órgão regulador que oriente e fiscalize a qualidade das calçadas serão discutidas por Alexandre Pessoa, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ e doutorando em Urbanismo. “Apesar de existir um decreto municipal de 2008 que reforce a obrigação dos proprietários de imóveis, sejam eles residenciais ou comerciais, de construir, de conservar e de limpar as calçadas, e da prefeitura de fiscalizar, até hoje não existe um padrão para as calçadas do Rio de Janeiro”, critica.
 

Serviço
Debate sobre o transporte sobre trilhos e a acessibilidade da Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Quando: 20 de julho
Horário: a partir das 19h
Local: auditório da sede do IAB-RJ
Endereço: Beco do Pinheiro, 10, Flamengo
Entrada gratuita e aberto ao público
Mais informações: (21) 2557-4480

Post sem comentários! Comentar o post

Comentários (01)

Boa noite,
estive no Rio essa semana com amigo cadeirante.
Ficou muito fácil perceber a falta de estrutura e vontade pública.
A começar pelos prédios de Copacabana que possuem escadas, sendo necessário a boa vontade dos porteiros, pois era preciso duas pessoas para levá-lo até a recepção do edifício.
As calçadas de Copacabana foram consideradas as melhores pelo meu amigo, as da Barra as piores.
Não sei o que ele faria se estivesse sozinho para transitar pela Barra.
Infelizmente ele não pode entrar na praia, pois a ONG "praia para todos"está desativada.
Percebi como o Rio possui grande quantidade de pessoas idosas e cadeirantes, sendo necessário mudança urgente na acessibilidade urbana.

responda esse comentário>>